Algumas notas sobre as peculiariedades da língua japonesa. Penso muitas vezes que aprender japonês me levou a ver o mundo com outros olhos. Quero partilhar aqui um pouco da minha experiência com o meu amado nihongo.

21
Jan 10

 Não conheço em japonês tantas formas de dizer "tu" (melhor dizendo, o pronome pessoal 2ª pessoa do singular) como "eu" mas elas não são assim tão poucas.  Ocorrem-me as de uso mais frequente, a começar por "anata", a de utilização mais comum e segura.  Recorremos a "anata" para nos dirigimos a outra pessoa quando temos com ela um grau de proximidade mínimo.  Tanto quer dizer "tu" como "você [o/a senhor(a)" como nas frases "Anata mo iku?" (tu também vais) ou "Anata mo ikimasu ka?" onde a utilização da forma "-masu" do verbo iku (ir) sugere alguma formalidade e o "você" que advém desta.

 

Quando o grau de formalidade é um pouco mais elevado evita-se o uso de um pronome pessoal e dá-se normalmente preferência ao uso do nome do interlocutor. "Suzuki san mo ikimasu ka?" seria pois mais respeitoso.  Lá como cá, "você é estrebaria" :-)

 

Se o nome do interlocutor não nos ocorrer podemos sempre recorrer ao uso da linguagem honorífica pois a escolha de uma forma honorífica de um verbo (keigo) indica de per si que o sujeito é o interlocutor que pode pois ser omitido.  Assim, o uso do da forma keigo "irassharu" do verbo "iku" permitiria dizer apenas "Irasshaimasu ka? dispensando pois o uso do nome ou de um pronome pessoal cuja escolha poderá ser sempre melindrosa.


Se nos dirigirmos a um desconhecido e a circunstância recomendar a não utilização de "anata", o pronome "sochira" é uma excelente escolha, bastante formal sem exageros honoríficos. "Sochira mo irasshaimasu ka." tem um grau muito equilibrado de cortesia e formalidade, desde que não implique esquecimento do nome do interlocutor.  "Sochira" é claramente um "o/a senhor(a)" sem qualquer cheirinho a "você".

 

A utilização da forma "o'takusama", extremamente formal e de utilização muito rara, deve ser feita com cuidado pois um exagero de formalidade pode ser interpretado como 慇懃無礼 "inginburei", um grau honorífico excessivo que revela mais distância entre nós e o nosso interlocutor que respeito por este, e é portanto insultuoso.  Cuidado pois com o extremamente, quiçá exageradamente polido "O'takusama mo irasshaimasu ka?". 

 

Quando o ambiente é mais relaxado, a palavra "kimi" é usda por homens e significa claramente "tu".  As mulheres não usam esta palavra e mesmo em ambiente informal dirão "anata" ou, se a proximidade com o interlocutor o permitir, "anta" que pode mesmo revelar intimidade.  Tímidas declarações de amor são por vezes apenas "Anta daisuki" (adoro-te) e aqui o uso de "anata" apontaria mais para "gostar muito" que para "amar".

 

"Kimi" é próximo, por vezes íntimo, e carinhoso.  Já "o'mae", que é usado apenas entre familiares ou amigos próximos, não contém em si o carinho de "kimi". "O'mae nani shiteru n'da?" (Mas que estás tu a fazer?) é bem mais duro que "Kimi nani wo shiteru no?" (Que estás a fazer?).

 

E por último, o uso de "temee", forma "rasca" do antigo "temae", é já claramente um insulto, daqueles que envolvem a virtude de mães e esposas :-) "Temee, wakaran kai" traduz-se literalmente por "tu não percebes?" mas soa aos ouvidos japoneses a algo muito próximo do que em português se diria "Não estás a perceber, cab...?".

 

Ao longo dos meus anos no Japão só uma vez usei "temee" e mesmo assim em resposta a impropérios de natureza semelhante :-) Um "cavalheiro", daqueles a quem faltam umas tantas falanges, sai de uma "banheira" americana branca de vidros fumados e perguntou-me num japonês de nível muito baixo porque não ia eu para casa (embora do Japão). Não resisti e lá tive de lhe responder "Temee ni kankee nee darrou.", algo como "hás-de ter muito a ver com isso meu cab.... da mer...!".  Sorte minha ir de bicicleta ;-) e... ah, ele ficou tão espantado com o (baixo) nível da minha linguagem que ficou por momentos sem reacção, dando-me tempo de montar e...  dar ao pedal?! :-)

 

Mas vejamos esta frase "hás-de ter muito a ver com isso", algumas formas como pode ser dita:

  • Temee ni kankee nee darrou.                                    ordinária
  • O'mae ni kankei nai darou.                                       dura
  • Kimi ni kankei nai deshou.                                         amigável
  • Anata ni kankei ga arimasen [nai deshou].                  polida
  • Sochira ni kankei ga gozaimasen.                               formal
  • O'takusama ni kankei ga gozaimasen [arumai (desu)].  inginburei

e notem como ligeiras variações nas outras palavras acompanham a escolha do pronome pessoal ;-)


Circunstancial....   sempre muito circunstancial o nosso nihongo :-)

 

 

 

publicado por Jaime Lebre às 01:00

2 comentários:
Bem legal seu post
A história de plano de fundo ajuda a perceber bem quando se deve ou não utilizar um dado pronome!
Augusto Cezar a 2 de Fevereiro de 2010 às 12:22

Obrigado pelo comentário e encorajamento :-)
Jaime Lebre a 5 de Fevereiro de 2010 às 11:35

Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
22

25
26
27
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos
2010

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO